PLANTÃO DE NOTÍCIAS

FORÇA-TAREFA QUE VAI INVESTIGAR ASSASSINATOS TERÁ 30 POLICIAIS



Uma equipe de cerca de 30 policiais fará parte de uma força-tarefa para investigar a morte de mulheres por motociclista, em Goiânia. De acordo com o superintendente de Polícia Judiciária da Polícia Civil (PC), Deusny Aparecido Silva Filho, seis delegados, três da capital e três do interior e as respectivas equipes de agentes e escrivães, vão reforçar a apuração da Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH). O trabalho terá foco nos casos ocorridos de forma semelhante, quando as vítimas foram mortas por um homem de capacete preto, que fugiu em uma moto sem levar nada.

Até segunda-feira (4/8), considerava-se o número de 12 mulheres assassinadas em circunstâncias parecidas, de janeiro até o último fim de semana, na capital. Mas a contagem deixava de lado o caso da Lílian Sissi Mesquita e Silva, de 28 anos, morta com um tiro no peito no dia 3 de fevereiro, quando saiu de casa para buscar os filhos na escola, pouco antes das 17 horas. Imagens de câmera de segurança flagraram o momento em que o assassino, todo vestido de preto, com capacete, em uma moto também de cor preta, para no meio de cruzamento, atira no peito da vítima e foge sem levar nada. Com esse crime, sobe para 13 mortes a serem esclarecidas.

O assassinato de Lílian Sissi aconteceu no Setor Cidade Jardim, a pouco mais de dois quilômetros do ponto de ônibus do Setor Morada Nova, onde Ana Lídia Gomes Sousa, de 14, perdeu a vida no sábado. A morte da adolescente causou grande comoção nas redes sociais, a ponto do governador Marconi Perillo (PSDB) publicar no Twitter a determinação de que fosse montada força-tarefa para investigar os crimes.

No entanto, o superintendente da Polícia Judiciária evita usar força-tarefa e diz que prefere chamar de “ampliação do trabalho da Polícia Civil”. Segundo Deusny, as equipes de reforço foram escolhidas por critérios técnicos. “O principal deles é o perfil de investigar e a habilidade de investigação, pois queremos dar uma resposta o mais rapidamente possível para esses 12 fatos da morte de mulheres praticadas por motociclistas”, explicou.

O grupo será coordenado pelo titular da DIH, Mutilo Polati, e trabalhará em conjunto com oito adjuntos da delegacia, que presidem os inquéritos atualmente. “Os 12 inquéritos vão continuar sendo presididos pelos titulares. Os delegados de reforço assumirão um ou dois casos específicos, porém, atuando de forma global para formar um bloco único de investigação. Os investigadores auxiliares vão atuar nos trabalhos externos, de investigação de rua”, detalhou.

Grande parte do reforço atua na Delegacia Estadual de Repressão a Narcóticos (Denarc), em Goiânia. Foram requisitados o titular Odair José Soares, e dois adjuntos, Vinícius Ney Barbosa e Eduardo Prado, e mais de 10 agentes e escrivães. Do interior, serão deslocados temporariamente para a capital: o delegado regional de Itumbiara, Ricardo Chueire; o titular do Grupo de Investigação de Homicídios de Trindade, Douglas Pedrosa; e o delegado de Ceres, Alexandre Bruno de Barros. Eles devem vir hoje para Goiânia com as equipes.

A ordem de missão inicial vale por 30 dias, mas Deusny afirma que o prazo deverá ser prorrogado. A quantidade de policiais também pode aumentar, de acordo com a necessidade. Grupo tem vasta experiência

(Fonte: Jornal O Popular)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Jornal Águas Lindas Desenvolvido por Blogger Copyright © 2016

Imagens do modelo de Bim. Tecnologia do Blogger.
Publicado Por Jornal Águas Lindas