PLANTÃO DE NOTÍCIAS

TJ condena homens que mataram pastor evangélico



Promotor acusou os réus de terem armado uma “cilada” para eliminar a vítim




Da redação
 Sob a presidência da juíza Claudia Silvia de Andrade Freitas foi apreciado em plenário, nesta quarta-feira  (30) o processo em que os dois irmãos acusados de assassinarem um pastor evangélico foram julgados. William Ribeiro de Queiroz, 22 anos, recebeu a condenação de 12 anos e seis meses de reclusão e Wilson Ribeiro de Queiroz 24 anos, teve a Sentença de 13 anos de prisão, em regime fechado.
 Os réus foram condenados sob a acusação de haverem praticado o crime de homicídio qualificado, por motivo fútil, mediante o emprego de recursos que dificultaram a defesa da vítima, no dia 14 de março de 2013. O crime aconteceu nas proximidades da Fazenda Camargo, em Águas Lindas de Goiás.
 De acordo com os depoimentos, um dos acusados, com residência no município, mantinha um caso amoroso com a vítima.
 Durante a sessão, atuou na acusação o representante do Ministério Público, Promotor de Justiça Fernando Centeno Dutra e na defesa os advogados Tomaz Cândido da Silva e Manoel da Cruz da Silva.
 Em seu depoimento os jovens mantiveram a versão de que o pastor estaria ameaçando o amante porque queria morar com ele no Distrito Federal e abandonar a família em São Paulo onde residia e tinha dois filhos. O rapaz que mantinha o caso com o pastor, convidou o irmão para “darem um susto” no amante e fazê-lo desistir da empreitada.
 No dia do crime os dois irmãos se encontraram com o pastor e seguiram por uma estrada na zona rural, Alejandro dirigia o carro ao lado do amante, enquanto o irmão dele estava no banco de trás.  No local do crime, após discussão, o irmão do amante do pastor que portava uma faca teria entrado em luta corporal com a vítima e lhes desferido golpes fatais.
 Na polícia o jovem de 24 anos teria confessado que deu uma facada na vítima, que ainda conseguiu caminhar por alguns metros até cair. Depois teria se aproximado desferindo mais duas facadas.   Tentaram evadir-se do local no carro do pastor, mas o veículo caiu em um buraco, eles então fugiram a pé.
 Durante os trabalhos de julgamento o promotor de justiça requereu a condenação dos acusados nos limites da Pronúncia, bem como pugnou pelo reconhecimento da causa de diminuição de pena de participação de menor importância ao acusado Wilson Ribeiro. “Eles levaram a vítima para uma cilada”, pontuou o Promotor.
 A defesa do acusado Wilson sustentou a tese de negativa de autoria, requerendo também a absolvição de seu cliente.
Já o advogado de William sustentou a tese de legítima defesa e também pelo reconhecimento da atenuante por confissão.
 INVESTIGAÇÕES
 Após o crime a Polícia Civil procedeu nas investigações chegando aos acusados ao quebrar o sigilo telefônico do pastor. “A gente rastreou os contatos que ele teve. Ficamos sabendo que ele tinha mantido contato com uma pessoa dessa região e, a partir daí, a gente começou esse trabalho como forma de chegar aos autores”, declarou à época o delegado Fernando Gama, responsável pelo caso.
 O corpo do pastor foi encontrado cinco dias após o crime por um caseiro da região. O carro ainda estava no local e em seu interior os objetos pessoais da vítima.
 Os dois acusados mantiveram as declarações de que após o crime um  deles teria permanecido  na cidade e o outro irmão teria ido para Planaltina de Goiás, onde morava.
 Declarações de familiares do pastor disseram que ele teria saído de Jundiaí, São Paulo, “com destino ao Rio de Janeiro. Mas, o GPS do carro, constava como destino a cidade de Taguatinga-DF.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Jornal Águas Lindas Desenvolvido por Blogger Copyright © 2016

Imagens do modelo de Bim. Tecnologia do Blogger.
Publicado Por Jornal Águas Lindas