PLANTÃO DE NOTÍCIAS

Rodrigo Rollemberg vai extinguir 60% dos cargos comissionados

Futuro governador apresenta o secretariado e confirma os cortes de pessoal que virão a partir do primeiro dia de comando. Secretário de Fazenda é conhecido por reduzir despesas
Austeridade. Essa foi uma das palavras mais ouvidas da boca do governador eleito Rodrigo Rollemberg (PSB), ontem, durante solenidade de anúncio dos nomes do primeiro escalão do futuro governo. Um indicativo de que pretende unir o discurso à prática foi que o socialista informou a redução do número de pastas de atuais 34 (chegaram a ser 39) para 24 — mais a chefia de gabinete. Além disso, preocupado com a situação das contas públicas, cujo rombo é estimado em R$ 3,8 bilhões, o futuro chefe do Executivo reafirmou a intenção de extinguir 60% dos cargos comissionados de livre provimento, que somam cerca de 8 mil servidores — dados oficiais de novembro.
Outro indício da política de arrocho que deve vigorar no GDF a partir de 2015 é o nome do secretário de Fazenda (leia mais nas páginas 18 a 20). Ex-servidor do Banco Central e assessor especial da Casa Civil da Presidência de Fernando Henrique Cardoso, Leonardo Colombini comanda as finanças do governo de Minas Gerais desde 2010 —, mas começou a trabalhar no estado vizinho em 2003. Em terras mineiras, ajudou a articular o choque de gestão do governo tucano de Aécio Neves, mantido por Antônio Anastasia. As palavras de ordem do modelo eram justamente austeridade, aumento de arrecadação e redução das despesas, que estavam na ponta da língua de Rollemberg ontem.
Mal anunciou o secretariado e houve a primeira reunião, a portas fechadas, ainda no Brasília Palace Hotel, onde ocorreu o anúncio, no espaço Athos Bulcão. Depois de um período de 15 dias até o fim do ano — no qual os secretários trabalham para preparar as bases da nova administração —, o governador eleito confirmou que as primeiras medidas oficiais serão financeiras. “A primeira tarefa são as ações que vão garantir a redução das despesas e o aumento da receita. São as medidas de austeridade para conseguir em pouco tempo o equilíbrio nas contas do DF”, explicou. Ele tem reclamado bastante de dinheiro. Ou melhor, da falta dele. E, pior, com muitas contas a pagar.
O diagnóstico desenhado pela equipe de transição, com base em informações repassadas pela atual gestão, carrega sem dó nas tintas vermelhas. O rombo, inicialmente previsto para R$ 2,1 bilhões, chegaria a R$ 3,8 bilhões, segundo dados divulgados pelo próprio Rollemberg no último sábado. No pacote, estão contas que deveriam ser pagas em 2014, mas que seriam deixadas para o ano que vem, sem dinheiro em caixa para isso. Esse quadro dramático, no entanto, é desmentido pelo governo petista. Apesar de vários problemas pipocando, como atraso de salários e pagamentos a fornecedores, há a garantia de que a casa estará em ordem em 31 de dezembro.
 Ações positivas
 Simultaneamente ao aperto no cinto dos gastos, o novo governador pretende mostrar à população que mudanças na condução do GDF. A intenção é não repetir o discurso de que assumiu uma “terra arrasada”, feito pelo atual governador, Agnelo Queiroz (PT) ao longo dos últimos quatro anos. Nesse sentido, Rollemberg traça no calendário o prazo de quatro meses. “A segunda tarefa é a agenda positiva dos próximos 120 dias, das ações e realizações. O que posso assegurar é que, a partir do primeiro dia, a população vai perceber que é um governo diferente”, frisou. Fonte correio Brasiliense

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Jornal Águas Lindas Desenvolvido por Blogger Copyright © 2016

Imagens do modelo de Bim. Tecnologia do Blogger.
Publicado Por Jornal Águas Lindas