PLANTÃO DE NOTÍCIAS

PSB, PSD e PPS planejam lançar o governador Marconi Perillo para presidente da República

Marconi Perillo: governador tem consciência de que fundamental mesmo é viabilizar sua gestão; senão, adeus projeto nacional | Foto: Lailson Damásio
Marconi Perillo: governador tem consciência de que fundamental
mesmo é viabilizar sua gestão; senão, adeus projeto nacional | Foto: Lailson Damásio
O objetivo número um do governador Marconi Perillo, do PSDB, é viabilizar seu governo — no momento, com um déficit mensal de quase 150 milhões de reais. É isto que explica a tentativa de reaproximar-se da presidente Dilma Rousseff. No governo anterior, contava com a costura política do então senador Gim Argello — que é íntimo da petista-chefe (faziam caminhadas juntos quase todos os dias), embora não tenham sido namorados. Com a derrota do líder do PTB, o tucano-chefe goiano ficou órfão em Brasília. As esperanças estão depositadas no ministro das Cidades, Gilberto Kassab — presidente nacional do PSD —, apontado como o novo “delfim” da principal gestora pública do país.
Porém, ainda que preocupado em viabilizar seu governo, ao mesmo tempo que termina e inaugura obras — como rodovias —, Marconi Perillo não deixa de fazer política. Porque, na acepção de Max Weber, se trata de um político por vocação, quer dizer, um político profissional. Ele pretende sair do PSDB? Não. Trata-se de um não, diria o ex-ministro Antônio Rogério Magri, “imexível”? Não. Mas mudar de partido para quê?
Diz-se: para disputar a Pre­sidência da República, em 2018. Ora, as eleições vão ser disputadas daqui a quase quatro anos e Marconi Perillo, se quiser sair do PSDB, não precisa se filiar a outro partido até setembro de 2015. Pode deixá-lo em 2017. Ah, dirão: é preciso fortalecer o nome, nacionalmente, para se tornar mais conhecido até 2018. Mesmo no PSDB, se fizer um governo consistente, com obras relevantes (revolução na educação e implantação do programa de recuperação de dependentes químicos) e contas ajustadas, pode consagrar-se.
Mas há a outra ponta da questão: vários partidos estão disputando o passe de Marconi Perillo? Por quê? Porque, com um estrondoso vazio de líderes em termos nacionais — note-se que Fernando Henrique Cardoso, de quase 84 anos, ainda é a referência do tucanato nacional —, é um político emergente, governador de Goiás pela quarta vez, e com apenas 52 anos.
A cúpula do PSB vai perder Marina Silva para a Rede Sus­tentabilidade, assim que esta conquistar seu registro partidário, e não há outro político nacional para substitui-la. O que fazer? Os luas pretas do partido estão à procura de outro presidenciável. Inicialmente, o “ataque” se deu noutro flanco — o partido planeja filiar a senadora tucana Lúcia Vânia, de Goiás, entre abril e maio — mas o olho gordo mira mesmo é Marconi Perillo. Este seria seu presidenciável em 2018.
O olho gordo ainda é magro o suficiente para não ter chegado às páginas dos jornais. O olho que está mesmo gordíssimo é o do PSD do ministro Gilberto Kassab. O ex-prefeito de São Paulo planeja duas tacadas. Primeiro, levar Marconi para a base da presidente da Dilma Rousseff — com o apoio do secretário das Cidades do governo de Goiás, Vilmar Rocha, espécie de conselheiro político do jovem tucano. Segundo, se der, apresentá-lo como candidato a presidente da República em 2018.
O olho do PPS dos deputados federais Roberto Freire e Marcos Abrão está quase gordo, percebendo Marconi Perillo como a alternativa para a disputa da Presidência em 2018.
Uma coisa é certa: é muito difícil, o que não quer dizer impossível, Marconi Perillo disputar a Presidência do país pelo PSDB. A “fila” tucana é, a um só tempo, enorme e congestionada por políticos que se consideram praticamente donos do partido. Aécio Neves, de Minas Gerais, e Geraldo Alckmin, de São Paulo — a quase eterna política do café com leite —, estão a postos para a disputa de 2018.
Aécio Neves avalia que, como foi bem votado em 2014, está cacifado para a disputa de 2018. Porém, como Minas se considera uma espécie de país — até mais do que São Paulo — e o mineiro se considera um “povo” à parte, como o gaúcho, há quem, no tucanato da terra de Carlos Drummond de Andrade, avalie, de maneira racional, que Aécio Neves deve trocar a política nacional pela regional. Por quê? Acredita-se que deve disputar o governo de Minas, porque seria o único capaz de arrancar o governador Fernando Pimentel (PT) do poder. Há outros atrativos: em 2018, duas vagas para o Senado estarão em disputa. Aécio Neves, na análise de luas azuis, estaria com a faca e o pão queijo nas mãos, mas em Minas. Se disputar a Presidência pela segunda vez, e for derrotado, ficará sem mandato executivo e legislativo pelo menos por quatro anos. Mineiros não apreciam isto.
Se Aécio Neves voltar a pôr seu retrato nas paredes de Minas — uma Itabira macro —, o PSDB fica relativamente aberto para Marconi Perillo e, sobretudo, para Geraldo Alckmin. O governador paulista pode disputar mandato de senador, pois não é, em definitivo, um político de matiz nacional. Se disputar com um candidato como Lula da Silva, sobretudo por ser um político meio da estirpe de Gandhi, pode pendurar as chuteiras. Contra o petista-chefe, o que se precisa é de um político do estilo de Marconi Perillo, mais firme e agressivo. O tucano paulista terá 66 anos em 2018 e o tucano goiano terá 55 anos — 11 anos a menos. Isto conta.
O Brasil, ao menos alguns partidos, está de olho em Marconi Perillo. Extremamente focado, o tucano-chefe está de olho mais em Goiás, porque sabe que o sucesso eleitoral no país dependerá, em larga medida, do sucesso administrativo no Estado. Se for mal localmente, adeus presença bem-sucedida no plano nacional.


Fonte:Jornal Opção

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Jornal Águas Lindas Desenvolvido por Blogger Copyright © 2016

Imagens do modelo de Bim. Tecnologia do Blogger.
Publicado Por Jornal Águas Lindas