PLANTÃO DE NOTÍCIAS

Ex-vereador de Luziânia é acionado por improbidade Aderbal João Jesus também faz parte de investigação da Polícia Civil do Distrito Federal




Aderbal João Jesus também faz parte de investigação da Polícia Civil do Distrito Federal que revelou que o acusado faz parte de uma quadrilha que atuava no tráfico de drogas na Região do Entorno e na cidade satélite do Gama (DF).
Da redação do JAL

O Ministério Público de Goiás propôs ação de improbidade administrativa contra o vereador afastado de Luziânia Aberbal João Jesus Souza, por condutas ilícitas apontadas em denúncia criminal oferecida contra o réu no último dia 29. De acordo com o MPGO Aderbal Souza, proprietário da Drogaria Souza e Félix Ltda (Farmácia Popular), e seu funcionário, Marivaldo Jesus Paz Carvalho, mantinham o estabelecimento como pretexto para a venda de medicamentos sem autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), como anabolizantes, remédios falsificados e abortivos e para a comercialização de produtos vencidos.
Pelo envolvimento na venda clandestina dessas substâncias, ambos foram denunciados pelos crimes de tráfico de drogas (artigo 33 da Lei de Tóxicos) e por falsificar produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais (artigo 273 do Código Penal). O vereador, que atualmente está afastado do cargo, foi denunciado em outra ação pelos crimes de receptação e posse de arma de fogo e munição.
Conversas recuperadas com ordem da justiça revelaram que ambos coordenavam uma extensa rede de venda de anabolizantes e medicamentos controlados sem receita, já que a farmácia sequer detinha autorização da Anvisa para comercialização, pois estava expirada em 20 de abril de 2013. Em uma das conversas, Marivaldo demonstra que, além da venda, incumbia-se também da aplicação e passava “instruções médicas” para o uso das drogas.
Foram pedidas ainda a determinação para suspensão imediata das atividades desenvolvidas na farmácia de propriedade do réu e a revogação do alvará de funcionamento do estabelecimento, interditando-o.
No mérito da ação, é pedida a aplicação das sanções previstas no artigo 12 da Lei de Improbidade Administrativa, como a perda da função pública, pagamento de multa, ressarcimento integral do dano, suspensão dos direitos políticos e proibição de contratar com o poder público.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Jornal Águas Lindas Desenvolvido por Blogger Copyright © 2016

Imagens do modelo de Bim. Tecnologia do Blogger.
Publicado Por Jornal Águas Lindas