PLANTÃO DE NOTÍCIAS

Tortura em Valparaíso: denunciados 1 policial civil, 2 policiais da PRF e 4 da PM

Contra os policiais rodoviários federais e os militares as acusações são em virtude da omissão, pois  de mesmo estando cientes do que acontecia, devendo agir para evitar a prática dos atos de violência praticados contra as vítimas, permitindo as agressões


Da redação do JAL

O MP denunciou o policial civil Thiago Henrique Muller João pelo crime de tortura por ter constrangido, nas dependências do Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops), Vinícius Mesquita Rodrigues e Hylden Mezet Coelho, com emprego de violência ou grave ameaça, com aumento de pena por ter sido cometido por agente público.
Estão sendo denunciados também pelo crime de tortura os policiais rodoviários federais Gabriel Oliveira Eduardo e Wanderley Marcos Rodrigues da Silva; os policiais militares Mário Carvalho Jardim da Silva Júnior, Weliton Pereira da Silva, Herbert Francisco Póvoa e Erivelton Pereira da Mata, por terem momentos antes, se omitido em relação ao constrangimento imposto às vítimas.
O crime aconteceu em Valparaíso de Goiás, no dia 17 de março de 2013, quando, por meio de violência, foi causado às vítimas sofrimento físico e mental para obter informação sobre prática criminosa, violando, assim, dever legal de quem deveria evitá-la.
A tortura
No dia 17 de março de 2013, Vinícius e Hylden e mais outras duas pessoas se envolveram em um crime na comarca de Ipameri, fugindo, em seguida, para Valparaíso. Os policiais rodoviários Gabriel e Wanderley conseguiram localizar o esconderijo do grupo e foram para o local fazer a prisão em flagrante, com apoio dos policiais militares Mário Carvalho, Weliton, Hebert e Erivelton. Chegando no local, eles entraram na casa onde os suspeitos estavam, fizeram a prisão. Com a situação sob controle, entretanto, alguns policiais militares não identificados passaram a constranger Hylden e Vinícius para obter informação sobre a existência de outras armas de fogo usada no crime que cometeram, bem como de outros integrantes do grupo.
Os policiais rodoviários federais e os militares denunciados, mesmo estando cientes do que acontecia, devendo agir para evitar a prática dos atos de violência praticados contra as vítimas, se omitiram, permitindo as agressões.
Depois disso, as vítimas foram levadas ao Ciops para a lavratura do auto de prisão em flagrante, quando o policial civil Thiago Henrique, para obter dados referentes às qualificações das vítimas, começou a dar golpes de porretes, causando as lesões constatadas por relatório medico e que instruem a denúncia.
Fonte: ( Assessoria de Comunicação Social do MP-GO - Imagem: Google View)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Jornal Águas Lindas Desenvolvido por Blogger Copyright © 2016

Imagens do modelo de Bim. Tecnologia do Blogger.
Publicado Por Jornal Águas Lindas