PLANTÃO DE NOTÍCIAS

PROCURADO: Suspeito de matar casal em Águas Lindas está foragido, polícia investiga fuga do país



O ex-sargento da PMDF, Orlando Bernadino de Melo, 49 anos, suspeito de ter matado a ex-esposa e o namorado dela, estava com passagens compradas para o exterior, conforme polícia. O crime aconteceu na madrugada de sábado em Águas Lindas.

“A viagem estava marcada para 31 de agosto, para a Flórida. Eu não vi essa passagem, mas foi o que a filha disse”, esclareceu o delegado do Grupo de Investigação de Homicídios (GIH) da cidade, Cléber Martins.

O agente que cuida do caso garantiu, porém, que o homem não vai embarcar, pois o próprio irmão do militar entregou o passaporte de Orlando às autoridades. “Ele tinha muitos irmãos, pelo menos quatro, e alguns não gostavam dele. Um chegou a afirmar que jamais o acobertaria e aventou até a hipótese de o suspeito tentar suicídio, por conta de um comentário em rede social”, revelou o delegado.

A postagem em questão data de 16 de agosto e foi feita após ele publicar foto de uma cirurgia plástica no nariz. “Um dia quem te ama de verdade vai sofrer com a sua partida, então porque VOCÊ não aproveita enquanto Eu estou vivo”, escreveu o homem. A polícia segue em busca de Orlando e não descarta a hipótese de ele ter sido acobertado pelo irmão mais novo.

Premeditado

As informações sobre a passagem para a Flórida, somada à aposentadoria recente e à compra de um apartamento em outra cidade, aumentou a convicção da polícia e da mãe da vítima, Maria Francisco, de ter sido um crime planejado há meses. “Ela finalmente estava feliz com o novo namorado e Orlando não aceitava de jeito nenhum. Ele dizia que não ia aguentar vê-la com outro”, lamentou, antes de prestar depoimento, na tarde de ontem.

A mãe da vítima reclamou de nada ter sido feito pelas autoridades, mesmo diante do histórico de violência entre sua filha e o ex-marido e de ele já ter tido a prisão decretada em maio, após ser detido em flagrante por agressão contra a moça – ele entrou com ação na Justiça e conseguiu a revogação da sentença.

Maria garantiu que acionará o Estado de Goiás na Justiça por omissão. “Ela chorava na frente dos promotores do Ministério Público. Ele desrespeitava medida protetiva. Isso podia não ter acontecido”, inconformou-se a mulher.



Saiba mais

O policial foi visto por alguns vizinhos nas proximidades do local do crime momentos depois do ocorrido. Segundo familiares, parte da farda dele foi encontrada na cena do crime.

No Colégio Estadual Emília Ferreira Branco, onde as vítimas trabalhavam, uma faixa preta foi colocada no portão de entrada.

Depois do crime, a família limpou a casa e separou os móveis e eletrodomésticos para esvaziar o local. Na noite seguinte, a residência foi invadida e furtada.

Suspeito é “obsessivo e possessivo”

A coordenadora pedagógica Milena Barbosa de Melo, de 33 anos, e o suspeito foram casados por cerca de 15 anos e as agressões eram uma constante na convivência do casal. Segundo o delegado Cléber Martins, desde 2010, a mulher procurou a polícia quatro vezes, mas apenas na última oportunidade, em março deste ano, ela levou o caso adiante e se separou definitivamente do homem, após dois términos de curto período. Após a ruptura, ela se envolveu com o colega de trabalho, o professor de biologia Antônio Vidal da Silva, de 36.

A polícia ainda não desvendou a dinâmica do crime, mas crê que o casal de namorados tenha sido abordado pelo suspeito fora da residência de Milena, na Quadra 56 do Jardim Pérola 2, e conduzido à casa. Ali, Orlando teria torturado e matado os dois com algum objeto perfurocortante (faca ou tesoura), escrito “traição” na parede com o sangue das vítimas, e depois levado ambos para o carro de Antônio, estacionado no quintal.

O ex-militar teria, então, ateado fogo ao veículo e fugido em seu próprio automóvel. Como a mãe foi a uma festa naquela noite, os filhos estavam na casa de parentes.

O delegado do caso descreveu o sargento reformado como “obsessivo e possessivo” e destacou que Orlando conseguiu reverter as outras duas separações do casal por meio de ameaças e chantagem.

“Em 2014, ele apareceu com o Conselho Tutelar na casa da Milena, num horário em que as crianças estavam em casa e ela trabalhando, conseguiu a guarda delas ao forjar um abandono e usou isso para obrigá-la a voltar”, detalhou.

Segundo Cléber Martins, o pai sequer chegou a conviver com os filhos depois disso, pois os deixou na casa de um colega de trabalho.

Caso tenha alguma informação, ligue para o Disque Denúncia: 197
Sua ligação será de absoluto sigilo.

Com informações Jornal de Brasília

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Jornal Águas Lindas Desenvolvido por Blogger Copyright © 2016

Imagens do modelo de Bim. Tecnologia do Blogger.
Publicado Por Jornal Águas Lindas