PLANTÃO DE NOTÍCIAS

Lula é interrogado por Moro na sede da Justiça Federal em Curitiba

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou por volta das 13h50 desta quarta-feira (10/5) à sede da Justiça Federal, em Curitiba, onde presta, pela primeira vez, depoimento ao juiz Sérgio Moro, no âmbito da Operação Lava Jato. O petista é interrogado na condição de réu.
Lula chegou sob forte esquema de segurança. Somente em volta do prédio da Justiça Federal, há 400 policiais. Alguns deles estão posicionados em cima dos prédios. O depoimento começou às 14h10. Desde então, o petista está falando. Os celulares foram deixados do lado de fora por determinação do magistrado que conduz as investigações da Lava Jato na 13ª Vara Federal.
Após desembarcar em Curitiba, Lula ficou cerca de 40 minutos com deputados, senadores e lideranças do movimento social em um hangar do aeroporto. Segundo o ex-presidente do PT-DF e atual coordenador da Liderança do partido no Senado, Wilmar Lacerda, Lula estava tranquilo e afirmou que, depois dos mais de 70 depoimentos agendados nesta fase, provará a sua inocência.
Wilmar disse ainda que a presidente cassada Dilma Rousseff, deputados, senadores e lideranças sociais seguirão para a Praça Santos Andrade, no centro de Curitiba, onde estão os apoiadores do ex-presidente. Há a possibilidade de o próprio Lula seguir para lá após o depoimento ao juiz Sérgio Moro.
Acusação
O petista é acusado pela Procuradoria da República, em Curitiba, de receber R$ 3,7 milhões em propinas da construtora OAS. Responde por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro — pena prevista de até 22 anos de prisão, se condenado. A ampliação, reforma e decoração de um tríplex, no Guarujá (SP), e o custeio do armazenamento de bens, de 2011 a 2016, seriam “benesses” dadas ao petista, em troca de negócios na Petrobras.
Moro deve evitar o confronto com o réu. Como tem feito na maioria dos interrogatórios, deve advertir o interrogado para evitar falas retóricas ou que desviem do foco do processo.
WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO
Lula já foi ouvido por Moro, em novembro de 2016, mas como testemunha de defesa do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, em outro processo, e por videoconferência. A conversa protocolar durou 9 minutos e 44 segundos.
Recursos negados
Nesta quarta, o ministro Felix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou recurso em que os advogados do petista pediam que Moro fosse considerado suspeito para julgar ação penal relacionada ao caso triplex no Guarujá. A decisão põe fim aos três recursos movidos no dia anterior pelos defensores.
O relator do caso já havia negado dois habeas corpus movidos pela defesa do ex-presidente. Um deles requeria o direito aos advogados de fazer uma gravação independente do depoimento de Lula à Justiça Federal. O outro pedia a suspensão da ação contra o petista para que a defesa analisasse, em até 90 dias, os documentos da Petrobras. (Com informações da Agência Estado)
(Márcia Delgado/ Douglas Carvalho)




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Jornal Águas Lindas gerenciado pela agencia Marck Publicidade Copyright © 2018

Imagens de tema por Bim. Tecnologia do Blogger.
Publicado Por Jornal Águas Lindas