PLANTÃO DE NOTÍCIAS

Um sinal de Deus

foto Acervo Pessoal
Alice nasceu no hospital Santa Lúcia, em Brasília, com uma síndrome rara, chamada Argininosuccinic aciduria (ASA), que afeta o ciclo da ureia. Seus pais estranharam o quanto a menina chorava, mas a instituição não aceitou fazer exames, por julgá-los injustificáveis.
“Quem deu a possibilidade ao ciclo da ureia fomos nós. Aí o hospital falou ‘é, realmente pode ser’, mas nesse meio tempo a Alice entrou em coma e ela foi entubada”, relembra o pai, Afonso Valladão. Por isso, o casal decidiu trazer Alice para São Paulo, para que fosse tratada no Hospital Sírio Libanês.
“Chegamos aqui no Sírio e eles fizeram o teste de amônia nela, deu altíssimo: 770. O normal é abaixo de 200, fica em torno de 50. Acima de 200 causa coma”, explica Valladão. Neste momento, o cérebro da menina estava começando a ser afetado. Ao passar por uma hemodiálise de mais de dez horas, Alice começou a acordar. No entanto, aconteceram complicações e um cateter fez com que o bombeamento do sangue parasse. O caso ocorreu no dia 24 de maio.
Foi, então, que a menina sofreu três paradas cardíacas. “Os médicos estavam tentando reanimá-la, eu me ajoelhei no chão, comecei a orar bastante, eu estava no corredor. E pedi à misericórdia de Deus. Eu não acreditava, mas não tinha pra onde correr.”
Neste momento, o padre Fernando passava pelo corredor onde Valladão estava ajoelhado. “[Ele] viu que eu estava segurando uma cruz e perguntou se ele poderia batizar minha filha”, relata. No entanto, o batizado só poderia ocorrer se a menina estivesse viva.
“Ele foi e acabou batizando ela entre um ataque cardíaco e outro. Enquanto isso, eu ainda estava ajoelhado, do lado de fora, orando por ela. Ela realmente voltou”, afirma o pai.
Desde então, tanto Valladão quanto sua mulher, mãe de Alice, têm rezado diariamente e passaram a acreditar em Deus. “No momento eu sou [mais religioso]. Antes eu tinha uma crença no ser superior, mas eu não sabia. Hoje em dia eu creio em Deus.”
Afonso não tem certeza se o batizado foi o que realmente ajudou sua filha a recuperar a vida, mas sente que a presença do padre, naquele momento, o ajudou: “porque eu pedi para Deus um sinal”.
Alice segue internada no Hospital Sírio Libanês e está mais estável. Ela precisa de medicamentos que não existem no País e o casal tem de desembolsar R$ 4 mil a cada duas semanas para consegui-lo. Além disso, a menina precisa de um leite especial, cuja lata custa 200 euros.
Para conseguir cobrir todos os gastos, os pais criaram uma vaquinha online e esperam arrecadar R$ 300 mil.
Futuramente, quando estiver em estado completamente estabilizado e engordar, Alice terá que se submeter a um transplante de fígado.
(Fonte: Jornal J.Br/redação JAL)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Jornal Águas Lindas Desenvolvido por Blogger Copyright © 2016

Imagens de tema por Bim. Tecnologia do Blogger.
Publicado Por Jornal Águas Lindas