PLANTÃO DE NOTÍCIAS

Policiais militares se passam por policiais civis para extorquirem traficantes

Durante operação aberta na madrugada desta sexta-feira (15), a Polícia Civil do DF prendeu três policiais militares aposentados que se passavam por policiais civis para extorquir traficantes da região de Samambaia. Dois já estavam sendo investigados pelo mesmo crime. Um informante também foi preso e outros dois estão foragidos.
Batizada de Extorsor, a ação objetivou o cumprimento de seis mandados de prisão preventiva, expedidas pela 3ª Vara de Entorpecentes do DF. As investigações tiveram início em novembro do ano passado, a partir da denúncia do próprio traficante que foi extorquido. “Ele foi até a delegacia e contou como tudo acontecia, inclusive reconheceu dois dos três policiais que foram presos”, aponta o delegado-chefe da 26ª Delegacia de Polícia (Samambaia), Eduardo Galvão.
No caso desse traficante, os policiais subtraíram R$ 13 mil e 10 quilos de cocaína. “Eles entraram na casa onde ele guardava as drogas, se apresentaram como policiais civis e mostraram um mandado de busca e apreensão falso”, detalha Galvão. O modus operandi realizado pelo trio de militares era o mesmo: conseguiam detalhes dos traficantes com informantes na rua e depois se passavam por policiais civis. “Utilizavam o brasão da Polícia Civil, camisa e carro descaracterizado”, completa o delegado.
Ao recolherem as drogas, os policiais repassavam para outros traficantes de outras regiões administrativas. “Aí eles ficavam devendo dinheiro para os policiais, como se fosse um consignado”, afirma Galvão. De acordo com o delegado, eles ainda vão investigar se o dinheiro que os militantes conseguiram por meio das extorsões foram aplicados em lotes. “A gente já apurou também que outras atividades que eles realizavam eram vendas de lotes irregulares. Eles vinham trabalhando com isso há um bom tempo, inclusive respondem inquéritos relacionados a isso. Então, a gente acredita que um investimento deles era com esse tipo de atividade”, conta.
Os militares presos eram sargentos e são conhecidos como Figueiredo, Jorge e Clovis. Segundo Galvão, dois deles ainda estavam na ativa quando começaram as extorsões. “As investigações apontaram também que os três atuaram muito tempo juntos na atividade e, nessa época, já teriam contato com informantes. Os últimos batalhões que eles trabalharam foram o 8º e 10º Batalhões da Polícia Militar, que ficam em Ceilândia”.
Os quatros presos na operação Extorsor vão responder por crimes de furto, associação criminosa, associação por tráfico, tráfico e extorsão. Todos estão presos preventivamente.


(J.Br/Foto: John Stan/redação JAL)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Jornal Águas Lindas gerenciado pela agencia Marck Publicidade Copyright © 2018

Imagens de tema por Bim. Tecnologia do Blogger.
Publicado Por Jornal Águas Lindas