PLANTÃO DE NOTÍCIAS

Casal brasiliense faz vaquinha para tratamento de filho com tumor raro


Bebê foi diagnosticado com patologia que só pode ser tratada no exterior



m casal de pais brasilienses está fazendo uma vaquinha virtual para financiar o tratamento de um dos filhos. Levy, de nove meses, foi diagnosticado com condrossarcoma mesenquimal congênito parameníngeo. Trata-se de um tumor raro, sem tratamento especializado no Brasil. Enquanto não conseguem os recursos necessários, Monique Batista Nogueira, 34 anos, e Gustavo Batista Nogueira, 34, lutam diariamente para salvar a vida do menino.

“É uma situação complicada. É necessário fazer uma radioterapia de prótons, que não existe no Brasil e é muito cara. Se houvesse no mínimo um aparelho desse aqui, não precisaríamos dessa arrecadação”, explica Monique, que é médica. Por isso, a mãe pesquisou até encontrar o local ideal para a terapia. Ela chegou ao MD Anderson Cancer Center, que fica em Houston, no estado do Texas (EUA).

O hospital é referência mundial no tratamento de cânceres e tumores raros. Mas tudo tem um preço. “Apenas para uma consulta, teríamos de pagar aproximadamente R$ 145 mil. Se for considerar o tratamento completo, que dura seis meses, precisaríamos arcar com no mínimo R$ 2,2 milhões”, esclarece. Por isso, veio a ideia de fazer a arrecadação coletiva.

Até esta segunda-feira (4) já tinham sido arrecadados R$ 61 mil. “Eu tenho uma certa condição por conta da minha profissão. Mesmo assim, o valor do tratamento é fora da minha realidade. Teríamos de estar em Houston em 2 de julho”, comenta Monique.

Diagnóstico: o choque inicial

Apesar de ser diagnosticado com um tumor tão raro, Levy não teve problemas durante o nascimento. A médica obstetra Angélica Angelo de Meneses foi uma das responsáveis pelo parto. “Foi uma gestação tranquila. Não notamos nada de anormal. A mãe sempre se demonstrou disposta e dedicada e controlou alimentação durante todo o pré-natal”, diz.

Porém, meses depois, em uma das consultas, Angélica notou um inchaço no rosto do menino. “Era uma espécie de carocinho, edema”, relata. Foi aí que veio o choque.

Após exames de ultrassom e ressonâncias magnéticas, houve a confirmação do tumor maligno. “Logo iniciamos o tratamento de quimioterapia. Mas esse tipo de intervenção é muito pesada para crianças, e acabou não dando certo. Inclusive gerou complicações. Levy teve pneumonia e sofreu uma infecção generalizada”, expõe a mãe.

Todavia, o menino conseguiu superar as adversidades e agora luta contra o tempo na tentativa de ser curado. “Por enquanto, a quimioterapia está servindo apenas para ‘segurar’ o tumor. Mas não sabemos até quando isso dará certo. É uma luta contra o tempo”, completa Monique.

Luta diária

O pai de Levy, Gustavo, é técnico judiciário e já lutou boxe e kickboxing profissionalmente. “Eu digo para muita gente que essa é a maior de todas as lutas que eu já tive. Por isso, procuro viver um dia de cada vez. Às vezes me pego no trabalho pensando na minha família em casa”, admite.

Serviço

Salvando o Levy

Mais informações com Monique: (61) 9 9975-7737


Fonte: JBr/Jornal Águas Lindas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Jornal Águas Lindas gerenciado pela agencia Marck Publicidade Copyright © 2018

Imagens de tema por Bim. Tecnologia do Blogger.
Publicado Por Jornal Águas Lindas