PLANTÃO DE NOTÍCIAS

Carga de drogas avaliada em R$ 3,5 milhões é incinerada pela PCDF


Aproximadamente 1,2 tonelada de maconha, cocaína, haxixe, rohypnol, ecstasy, lança-perfume, merla, entre outras drogas, foram queimadas em um período de quatro horas


ma carga de aproximadamente 1,2 tonelada de droga, avaliada em R$ 3,5 milhões, foi incinerada pela Polícia Civil do Distrito Federal na manhã desta quarta-feira (4). As autoridades precisaram de uma autorização judicial e também de uma licitação para escolher a empresa que iria realizar o procedimento. Um deposito especializado na queima de lixo hospitalar, localizado no Setor Industrial de Ceilândia, foi escolhido.

De acordo com o delegado Leonardo de Castro Cardoso, da Coordenação de Repressão às Drogas da Polícia Civil Distrito Federal (CORD), até o mês de junho deste ano, aproximadamente três toneladas de entorpecentes foram apreendidas. “O que dá pra perceber é que estamos achando menos drogas e prendendo mais traficantes. Só em 2018, vamos chegar a 900 prisões”, prevê. “Esses criminosos estão mais cautelosos, deixam os grandes carregamentos armazenados no Entorno e o que entra no DF são apenas pequenas quantidades”, esclarece o delegado. Com isso, os traficantes têm menos prejuízos com as apreensões.

Entre os tipos de drogas queimadas, tinha maconha, cocaína, haxixe, rohypnol, ecstasy, lança-perfume, merla, entre outras. Todas as apreensões foram feitas nos últimos dois anos e as substâncias estavam armazenadas em um depósito no Complexo da Polícia Civil. Cerca de 50 policiais, nove viaturas e um helicóptero escoltaram a carga até o local da incineração. O Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF) ajudou no controle do trânsito.

De acordo com Cardoso, existe a previsão para outra incineração em novembro. “Mesmo assim, essa data pode variar já que depende da quantidade do estoque. Se fizermos uma apreensão muito grande a queima dos resíduos pode ser adiantada”, explica o delegado.

De acordo com o operador de máquina que trabalha no depósito, Gesilvan Lima Oliveira, 28 anos, incinerar drogas é bem mais complicado do que queimar o lixo hospitalar, por exemplo. “É um material mais difícil de se desintegrar. Vai levar de três a quatro horas para queimar tudo. Se fosse lixo de hospital, seria bem mais rápido”, comenta.

Segundo ele, nunca ocorreu contaminações em seu local de trabalho. “Algumas pessoas já sofreram cortes pelas agulhas, mas, recebemos um acompanhamento especial e sempre somos examinados”, diz Gesilvan. De acordo com o operador, as máscaras não servem só para evitar a inalação dos entorpecentes. “Em qualquer tipo de material usamos as máscaras para evitar a fumaça tóxica. Não é só por causa das drogas não”, brinca.

Apreensões de drogas no DF: Janeiro-Junho 2018

Maconha: 1 tonelada e 815,852 quilos

Cocaína: 42,310 quilos

Crack: 30,028 quilos

Haxixe: 3,265 quilos

Ecstasy: 158 comprimidos

LSD: 504 micro-selos

Lança-perfume: 358 frascos

Fonte: JBr/Jornal Águas Lindas


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Jornal Águas Lindas gerenciado pela agencia Marck Publicidade Copyright © 2018

Imagens de tema por Bim. Tecnologia do Blogger.
Publicado Por Jornal Águas Lindas